Eu podia estar matando...

 

“Estar roubando, mas não...”

Começa assim a venda de adesivos, escapulários, e todas aquelas outras coisas que nos oferecem dentro de ônibus, na porta de casa, em mesa de barzinho.

Pior é que dependendo do produto, da dramatização e da minha carga hormonal no dia, eu compro.

Esses dias me falaram que temos que entender e visualizar a situação, não sofrer por ela. Então, mas tem umas que sofro sim.

Últimas aquisições?

- Uma cartela de adesivo do ursinho Pooh;

- Uma de estrelinhas;

- Um adesivo da Nossa Senhora dentro de um terço;

- Três sacos de lixo, os 3 por R$ 1,00, p/ ajudar uma instituição de pessoas com problemas mentais.

Sexta à noite me ofereceram um bonequinho do Raul Seixas fumando um, em biscuit, mas como a TPM já passou, recusei. E também, o Raul nem ficaria bem na minha estante. Acho que não ficaria interessante a combinação: Raul Seixas se drogando + bonecos de barro de Pernambuco dançando ciranda.

Não, os dançarinos de ciranda não comprei não, ganhei de uma amiga que foi pro nordeste em lua-de-mel e lembrou de mim. Bom ser lembrada né? Embora eu confesse achar meio estranho ser lembrada em plena lua-de-mel, dos outros, claro.

 

 

(Nem toda câmera de celular é boa, eu sei disso, e como sei...)



Escrito por Gra às 15h48
[] [envie esta mensagem]



Querência e precisão

 

Visitando blogs de amigos de amigos, achei um texto que me chamou a atenção. A moça falava do desejo de encontrar um cara que não seguisse a linha de príncipe encantado. Pra isso ela usou exemplos de histórias encantadas e também alguns nomes de personagens considerados heróis e outros loucos. Inclusive um desses nomes é o mesmo de uma tia minha, que cá entre nós, nem do nome dela ela gosta, mas antigamente era comum usar uma única letra nas iniciais dos nomes de todos os filhos. Coitada, falta de sorte ter nascido por último e ter ficado com o nome que sobrou. Só pra deixar bem claro, o nome dela é da léva dos heróis, não dos loucos.

Voltando ao texto da moça.

Ela não quer um príncipe encantado. Eu também não. E nem preciso. Primeiro porque se alguém precisa de outra pessoa pra ser feliz... Boa sorte!

A espada também foi citada, coisa que dispenso também, abridor de latas já faz um estrago danado na minha mão.

Outra coisa que ela acha desnecessário é o tal “beijo de amor” que desperta a Bela Adormecida de um sono profundo. Olha, eu me identifico com isso, pois além de adorar dormir, ser acordada com um beijo não é nada ruim!

Não se considera uma donzela indefesa? Eu também não! Mas se sentir protegida eu gosto!

Não sei por que uma das histórias que mais me marcou minha infância foi a da Rapunzel. Embora na vida real o papel da pessoa na janela seja um pouco diferente da contada nos livros.

Mancebo. Palavra nova pra mim. Significa rapaz novo. Eu acredito que cada um tenha um conceito de novo. Incluí a palavra no meu texto também porque achei que seria interessante compartilhar essa descoberta com mais pessoas.

Ela se compara a uma heroína lá, fiquei analisando em qual perfil de heroína eu me encaixaria. Oi? Estou analisando ainda.

Em relação ao tal príncipe lutar contra monstros terríveis, então, tenho uma blusa de frio que quando a uso, imito monstro, astronauta também, depende da situação, eu fico grande e larga com ela, tem gente que ri disso. Meu príncipe tem que ter bom humor, senão sem chances.    

Uma vez (se incluísse um “era” antes de iniciar essa frase, batata, história encantada na certa) um amigo me disse algo que achei bastante interessante: “Príncipe encantado nem rola, eles sempre saem do meio mato todo cheiroso, limpo, com o cabelo sem um fio fora do lugar, usando uma calça legging, isso quando não chegam no final da história e a princesa já está até morta”. Essa constatação me fez pensar muito...

Ah, tem o lance do cavalo também. Nem andar a cavalo eu sei. Por ai já se tem uma base né? E corcel não é carro?

Esses dias conversando com uma amiga, ela me contou toda feliz que tinha achado o cara metade da vida dela. Que era um moço bão, trabalhador, honesto, tinha um comércio numa cidade vizinha, que participava de campeonato de Motocross, jogava vôlei de praia no Guarujá e tinha 4 cavalos. E ela fazendo uma tremenda questão desses 4 cavalos, não sei dizer ao certo se pelo animal, pela quantidade, ou pela junção n º + espécie.

E se ela está jogando todas as suas expectativas nesses tais 4 cavalos, essa relação está fadada ao fracasso, pois o ano de 2008 nem é o ano do cavalo, e sim do rato, e não é o número 4 o regente desse ano, e sim o 1.

Por isso não me apego a esses detalhes, meu príncipe tem que ser apenas encantador. E a princesa aqui está mais pra calça jeans, blusinha, rasteirinha e batom cor de boca.



Escrito por Gra às 14h06
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]























Âncoras jogadas
25/01/2009 a 31/01/2009
04/01/2009 a 10/01/2009
21/12/2008 a 27/12/2008
07/12/2008 a 13/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
09/11/2008 a 15/11/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
05/10/2008 a 11/10/2008
28/09/2008 a 04/10/2008
21/09/2008 a 27/09/2008
14/09/2008 a 20/09/2008
31/08/2008 a 06/09/2008
17/08/2008 a 23/08/2008
10/08/2008 a 16/08/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
27/07/2008 a 02/08/2008
13/07/2008 a 19/07/2008
06/07/2008 a 12/07/2008
29/06/2008 a 05/07/2008
22/06/2008 a 28/06/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
04/05/2008 a 10/05/2008
27/04/2008 a 03/05/2008
20/04/2008 a 26/04/2008
13/04/2008 a 19/04/2008
06/04/2008 a 12/04/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
Tiane e Lela
Ego Confession
Pena e Pincel
Projeto Reticere
Aqui entre nós
See you in another city
Ato falho
Fogo de gelatina em pó
Contando e recontando
O trem de doido
Casinha de Mariah




UOL